AVISO AOS VISITANTES!

Bem vinda(o) aos PEQUENOS DELITOS RENOVADOS.
É um blog que mistura poesia e sacanagem (não nessa ordem). Suas contribuições (fotos, poemas, idéias) serão importantes para o blog. Sinta-se dono e ator principal desse blog.
A mais importante participação é sua visita. E claro, seus comentários...
Contate-me.... aguardo você no e-mail do blog: delitosdosexo@gmail.com

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

CICLO DA NATUREZA

Teu sexo é a flor
Que exala perfume e sedução.
Sou abelha.
Lambo tua flor e as pétalas que a enfeitam.
E extraio a essência de meu mel.
E tuas pétalas ressurgem
Cada vez mais límpidas e belas. E perfumadas.
O ciclo da vida se consuma...
                                                                    PDR, agosto de 2015

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

ENTREGA DESVAIRADA

Soneto de amor

"Não me peças palavras, nem baladas, 
Nem expressões, nem alma... Abre-me o seio, 
Deixa cair as pálpebras pesadas, 
E entre os seios me apertes sem receio. 

Na tua boca sob a minha, ao meio, 
Nossas línguas se busquem, desvairadas... 
E que os meus flancos nus vibrem no enleio 
Das tuas pernas ágeis e delgadas. 

E em duas bocas uma língua..., — unidos, 
Nós trocaremos beijos e gemidos, 
Sentindo o nosso sangue misturar-se. 

Depois... — abre os teus olhos, minha amada!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada... 
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce! " 
                                                                      José Régio, pseudônimo de José Maria dos Reis Pereira, 
                                                                                                  escritor, poeta, dramaturgo português.
                                                             Nascimento: 17 de setembro de 1901, Vila do Conde, Portugal
                                                           Falecimento: 22 de dezembro de 1969, Vila do Conde, Portugal




sexta-feira, 7 de agosto de 2015

NÉCTAR DE NÓS DOIS

Busco o néctar de teu corpo.
E buscas o meu.
E nos encontramos em nossas bocas.
E criamos, entre nossos corpos,
Um elo de amor, inextinguível.
Um laço que nada, ninguém,
Pode restringir.
                                                        PDR, agosto de 2015