AVISO AOS VISITANTES!

Bem vinda(o) aos PEQUENOS DELITOS RENOVADOS.
É um blog que mistura poesia e sacanagem (não nessa ordem). Suas contribuições (fotos, poemas, idéias) serão importantes para o blog. Sinta-se dono e ator principal desse blog.
A mais importante participação é sua visita. E claro, seus comentários...
Contate-me.... aguardo você no e-mail do blog: delitosdosexo@gmail.com

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

HOJE.... DATA ESPECIAL!!!

Hoje...
Eu queria ser o dono da constelação
Onde és a estrela mais brilhante.
Ser o oxigênio que alimenta o fogo da lamparina de seus olhos.
E ter meu caminho eternamente iluminado.
Queria ser a essência que te perfuma a pele, impregná-la de mim.
Ser a pétala que te enfeita e ser o pigmento que a colore e torna
Mais bela Você, flor mais pura...

Hoje, eu queria ser o dono de ti...
O dono de teu corpo e de tua alma
De tuas manhãs, tuas tardes e noites...
Tuas implicâncias, tuas distâncias, teus risos, teus sisos
Dono de tuas verdades, tuas saudades!

Queria olhar o fundos dos teus olhos e inundá-los de paixão.
Tingir nossas línguas com o gosto e a cor das amoras...
Fundir-me a ti, num abraço inseparável.
Hoje eu queria ser dono de ti, 
Minha fruta madura
Dona de minha ternura
Dona de meu viver.
                                            Do PDR, para uma leitora especial que aniversaria hoje...
 

domingo, 29 de novembro de 2015

MINHA INFINITA VONTADE

De possuir-te
De ter teu gosto ao alcance de meus sentidos
De te penetrar e permanecer em teu íntimo.
Fazer-me teu por inteiro.


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

GLORIOSA-MENTE EXIBIDA

Qualquer adjetivo voltado a ela vira superlativo. Uma escultura de mulher que se fez mulher real.
E que nos dá a gloria de se exibir aqui no PDR....e que nos dá a mais completa visão do Paraíso... Com toda sua exuberância, com toda a beleza gloriosa que exala em suas formas perfeitas de mulher. Um espetáculo de fêmea.   A completa percepção da beleza...
A nudez lasciva de pernas dominantes, de curvas sinuosamente perfeitas... o sexo nos tempos verbais mais poéticos: o sexo mais que perfeito, no imperativo da sedução...
 Uma imagem que surpreende e prende a atenção dos que se encantam com a beleza da mulher... daquela beleza que provoca sentidos e sentimentos. Que arrasta o desejo para seu mais puro e essencial. A visita a seu blog éimperdível. Clique aqui pois é indizível vê-la em sua própria casa.
Primeiro ato... A sedução inóspita:
 
Segundo ato... A escultura toma forma:
Terceiro ato... O Paraíso se revela em dois lados e cores:



segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O FIO DA MISSANGA...

"A missanga, todos a veem. Ninguém nota o fio que, em colar vistoso, vai compondo as missangas. Também assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo." "A vida é um colar. Eu dou o fio, as mulheres dão as missangas. São sempre tantas as missangas." (MIA COUTO)

sábado, 21 de novembro de 2015

O MEU QUERER....

"O meu querer é absoluto.
Quero-te como se fosse colher gotas de luz
Para iluminar minha fome de ti.
Quero-te oferecida, sem censura.
Faminta, apta a ser explorada.
Sinto-me cada dia mais teu,
Escravo de tua ausência.
Quero o êxtase de teu êxtase..."
                                                 PDR, novembro de 2015

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

A MULHER MADURA

"A mulher madura é um ser luminoso, é repousante às quatro horas da tarde, quando as sereias se banham e saem discretamente perfumadas com seus filhos pelos parques do dia. 
Pena que seu marido não note, perdido que está nos escritórios e mesquinhas ações nos múltiplos mercados dos gestos. Ele não sabe, mas deveria voltar para casa tão maduro quanto Yves Montand e Paul Newman, quando nos seus filmes.  
Sobretudo, o primeiro namorado ou o primeiro marido não sabem o que perderam em não esperá-la madurar. Ali está uma mulher madura, mais que nunca pronta para quem a souber amar!"  
                                                       Affonso Romano de Santanna

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

CATCH ME IF YOU CAN...

"Prenda-me na tua doce prisão...
Na masmorra que mais me enternece.
Asfixia-me com a força de teu desejo.
Mata-me sufocado de amor.
Estrangula-me, até que eu jorre
A última gota da paixão que me devora..."
                                                                    PDR, julho de 2009

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

A CASA É TUA

Ande por caminhos que não são meus...
Mares, oceanos, lugares e ilhas
Meus olhos, que aqui ficam, são teus.
Guiar-te-ão por todas tuas trilhas.

Quando voltas, terás em meu corpo o teu cansaço
E teu descanso
E teu travesseiro será o meu braço
O meu abraço o teu remanso.

Esse corpo é teu. É tua morada.
E será sempre tua.
De dia, tu és meu sol.
E de noite, és minha lua.
                                                    PDR, junho de 2013

domingo, 8 de novembro de 2015

IMAGINAÇÃO

"Já foste minha incontáveis vezes ao olhar-te...
Surpreendo-me a cada instante em que 
Tenho-te  frente aos olhos.
E faço de meu olhar a intenção incontida de conhecer tua nudez, 
Teus pelos umedecidos, os lábios cor de mel de teu sexo,
Que eu pudesse lamber, no ato íntimo da dependência de teu gosto.
Na tendência ao infinito de meu desejo." 
                                                                    PDR, novembro de 2015
  

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

OFERTA


"Já amei em silêncio. Amei-te em silêncio
E aquele amor ficou em mim
Como uma doença contagiosa que nunca apareceu.
Mas que me consumiu como uma chaga.

Já amei de forma explícita. Pública. Doentia.
A rejeição não me matou.
Mas me deixou marcas explícitas. Variólicas.
Sobrevivi.

Hoje, me ofereço a ti.
De forma explícita. Nua. Delirante.
Pode ser o prenúncio de uma varíola ou uma doença incubada.
Mas pode ser o amor que me seca a procura.
Vale a pena correr o risco."
                                                       PDR,  abril de 2014

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O AMOR E A MORTE

"Corpo de ânsia. 
Eu sonhei que te prostrava, 
E te enleava 
Aos meus músculos! 
Olhos de êxtase, 
Eu sonhei que em vós bebia
Melancolia
De há séculos!
Boca sôfrega,
Rosa brava
Eu sonhei que te esfolhava
Pétala a pétala!
Corpo de ânsia,
Flor de volúpia sem lei!
Não te apagues, sonho! mata-me
Como eu sonhei. " 
             
                                 José Régio (O Amor e a Morte)