AVISO AOS VISITANTES!

Bem vinda(o) aos PEQUENOS DELITOS RENOVADOS.
É um blog que mistura poesia e sacanagem (não nessa ordem). Suas contribuições (fotos, poemas, idéias) serão importantes para o blog. Sinta-se dono e ator principal desse blog.
A mais importante participação é sua visita. E claro, seus comentários...
Contate-me.... aguardo você no e-mail do blog: delitosdosexo@gmail.com

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

OBRA DE ARTE

Despir tua roupa
Como se tirasse a embalagem
De uma obra de arte...
São tantas as formas de te amar
São tantos os jeitos de me entregar!
Receba-me sem receios
Pois entre todos os meus anseios
Está meu desejo de te completar...
                                                  PDR, maio de 2012
 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

TUA PELE MEU JARDIM

E a imensa vontade de regar teu corpo
Com meu amor em forma líquida.
De molhar toda tua pele
De liquefazer-me, de desfazer-me em amor.
E fazer brotar  em cada poro de tua pele
Uma flor, chamada "amor eterno".
                                       PDR, dezembro de 2015             


sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

REVELAÇÃO PÓS NATAL

Me sinto ausente de meu corpo e alma.
Olho em volta de mim e percebo meu delírio,
Amor – o teu - que me falta em doce martírio.
Me faltas com o ar de tua calma.

Hoje, finalmente o silêncio veio me visitar:
Foi tua ausência.
A doce penitência,
A doçura de te sonhar!

                                             PDR, dezembro de 2015
 

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

POEMA DO "SIMPLES ASSIM"

Sonhei contigo...
Fiquei assim!
Depois contigo
Eu fiz assim!
Depois, você pediu
Para terminar assim!
 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

FELICIDADE

"A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor:
Brilha tranquila,
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor"
                                            Vinícius de Morais - poeta e músico brasileiro

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

AMAR DE VERDADE... DELITO UNIVERSAL

Chamar-te de meu amor , como eu te chamo,
quando o meu coração fala, por nada mais saber,
é dar-te tudo o que dentro de mim tenho,
por dentro de mim, eu mais nada querer ter.

E quanto mais tenho a certeza deste querer,
do tão pouco que me contenta e para ti reclamo,
mais feliz  me encontro nesta forma de viver,
por tão rico, assim me sentir, porque te amo.

Se a pobreza no amor fosse  triunfante,
se o triunfo na riqueza, fosse simplesmente amar,
todos os pobres seriam assim ricos como eu.

Mas com o pouco que tenho, me sinto importante,
quando do quase nada, eu tudo  te posso dar,
na grande riqueza, com que o meu amor nasceu

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

(M) EU FALO

Eu falo por metáforas:
Meu falo por metáforas, Se faz teu.
Eu falo de forma majestosa
Meu falo de forma majestosa, é teu.
Teu corpo recolhe o que eu falo
Teu corpo acolhe o meu falo.
Eu falo de forma explícita que te amo
Meu falo, de forma implícita, me torna teu.
Integralmente teu.
                                              PDR

sábado, 5 de dezembro de 2015

MATAR TUA FOME

Quero matar tua fome de mim.
Quero encher tua boca e teus sentidos
Quero morrer de amor por ti.
E que me enterre dentro de ti.
                                                PDR
 


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

ENTRE NÓS E OS DEUSES...

Minha imaginação vagueia pelos caminhos de tuas imagens. Imagens que me fascinam.
A renda preta que emoldura tuas pernas me deixa ver as portas do céu.  O jeito excitante que tens de configurar-se como uma vestal grega. Uma santa impura. Pernas cinematográficas. Provocantes.
Vejo teu corpo lânguido sobre a cama. Lábios cheios de promessas. Seios fartos, numa ode à luxúria, ao tesão e ao sexo desmesurado.
A mesma renda preta, que me enche os olhos, esvazia minha mente num delírio de possuir-te...  Tuas pernas se cruzam numa provocação explícita, que  me acelera os movimentos (de corpo e alma).
Minha língua, nesse momento pára sobre teus seios e os buscam no frêmito de uma ausência desmedida. Aceito-a, como parte do vazio de minha vida.
Coloco-te naquela posição da imagem. Minhas mãos afastam tua renda, expondo o íntimo que mais almejo conhecer...  Lambo-te o sexo, lambo-te o buraquinho glorioso, sinto o gosto de teus fluidos, sinto a aspereza delicada de seu ânus que me acaricia a língua e penetro tua vagina com minha língua.  O almíscar que exalas marca meus sentidos.  Inebria-me.
Tuas mãos me conduzem à alça de tua calcinha, estimulando-me a desnudar-te.
Reforço meus movimentos de língua e sinto o arrastar de teus “ais”.  Me pedes que a faça chegar ao fim, com minha língua em teu sexo. Descubro-o.  Exploro-o com  habilidade.  Acaricio teu grelo delicioso com minha língua. Um poema de paixão sem palavras.   Teu cheiro de fêmea me derruba como uma estrela cadente...
Introduzo meu dedo carinhosamente em teu cuzinho. Sinto-o abraçar-me o dedo na tentativa inútil de me deixar sair.  Teu gozo abundante me queima a língua. Sorvo-o. Néctar de meus desejos mais escondidos... Me pedes que a penetre.
Me ofereces a visão de teu cuzinho e tua bucetinha... sem nenhuma censura.
Brinco com meu pau em tua racha molhada... penetro-te com força. Uma. Duas. Três estocadas me bastam para chegar ao gozo que inunda de brilho teu íntimo...
Chego ao fim, com o gozo espesso da paixão que me inunda a palma da mão.
A palma de minha mão se transforma, por um átimo de tempo, no teu sexo glorioso.
Minha palma da mão recolhe meu gozo, o gozo que venho guardando, há tempos, para  ti.
Sei que é um sonho, apenas uma ilusão.
Mas por ti, vale o sofrimento do desespero de tua ausência.  Por ti, vale a desilusão de ver meu gozo escorrendo pela mão.
As mãos que te escrevem poemas hoje se transmutam em teu corpo.
Vale a pena pensar em ti. Vale a pena ter-te em meus momentos íntimos de prazer.
“És dona desse gozo que hoje
Se perde no chão do meu banheiro.
És dona de mim.
Dona dos pobres e pequenos versos
Que deixo para ti.”

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

MEU RIO EM TEU MAR

Em mim, corre um rio.
Um rio de paixão, de ternura e amor.
Um rio, cuja corrente se acelera a cada instante
Em que me faço teu.
Tua boca é um mar de amar.
Meu rio e o mar se encontram.
E meu rio deságua meu amor em teu mar.
                                              PDR, maio de 2012